Landing pages: como fazer o cliente chegar até onde você quer

Anúncios em redes sociais ou em buscadores devem direcionar os clientes para locais definidos pela empresa. As páginas de destino, cadastradas para receber os consumidores quando eles clicam nas propagandas, são chamadas de landing pages. Elas são específicas para determinado produto ou serviço e possuem alta taxa de conversão.

O objetivo das landing pages é conquistar o cliente que não está disposto a perder tempo com pesquisas dentro do site. Ele será direcionado exatamente para onde o anúncio indica. Para criar uma página de sucesso é preciso observar um ponto-chave: simplicidade. O layout agradável, clean e com linguagem clara irá facilitar o processo de compra ou contato com a empresa.

Em entrevista para a revista W, Marcelo Cruz, consultor da WSI Consultoria, afirma que é fundamental entregar a informação mastigada para não dar ao cliente o benefício da dúvida. Diante do imediatismo atual, as empresas possuem pouquíssimo tempo para conquistar o consumidor, pois há uma gama de possibilidades a apenas um clique. A compra ou contato com a empresa precisam ser fáceis, sem rodeios.

Confira alguns dados da pesquisa* realizada pela Infobase, uma das 50 maiores integradoras de tecnologia da informação do Brasil, para criar uma landing page:

  • 92% das landing pages utilizam informações sobre a empresa no centro superior.
  • 86% mantêm um texto com dados sobre o produto no centro, mais à esquerda.
  • 58% apresentam imagens das equipes e sedes.
  • 59% disponibilizam telefone.
  • 46% mantêm seus formulários sob os botões de call to action.
  • 38% contam com call to action na parte superior direita.
  • 12% compõem a parte inferior da página com premiações e certificados.
  • 19% revelam depoimentos.
  • 25% têm palavras-chaves nas URLs.
  • 85% utilizam os nomes das empresas nas URLs.

*extraída da revista W.

Exemplos de landing pages:

Este slideshow necessita de JavaScript.

4 ferramentas para criar sua landing page:

  • Lead Pages: a ferramenta permite a criação e edição sem o uso de programação. Possui diversos templates e layout adaptável para mobile. Investimento: Standard: US$ 25/mês; Pro: US$ 49/mês; e Advanced: US$ 199/mês.
  • Hubspot: possui, além da plataforma de criação, um sistema que pode ser integrado à estratégia de conteúdo da marca. Além disso, disponibiliza material educativo sobre conteúdo digital. Investimento: Basic: US$ 200/mês; Pro: US$ 800/mês; e Enterprise: US$ 2,400/mês.
  • Unbounce: oferece uma grande variedade de templates e a funcionalidade de testes A/B para medir a conversão das páginas. É um dos serviços mais usados no mundo. Investimento: Starter: US$ 49/mês; Pro 99: US$ 99/mês; Pro 199: US$ 199/mês; e Pro 499+: US$ 499/mês.
  • OptimizePress: a assinatura envolve uma variedade de ferramentas para o site WordPress. É possível criar blogs, webnars e relatórios. Investimento: depende do componente escolhido.
Anúncios

Storytelling: você sabe contar uma boa história?

As boas histórias têm o poder de conquistar a atenção do público, emocionando e envolvendo leitores e espectadores. O storytelling é uma das formas mais eficazes de dar visibilidade à marca e deve ser incorporada nas estratégias de comunicação das empresas como uma ferramenta para atrair clientes.

Separamos cinco dicas para criar uma narrativa inesquecível e chamar a atenção do público alvo:

Analise o que você quer transmitir e enquadre a mensagem que você quer passar dentro de uma narrativa. O público irá se interessar se o assunto for relevante e informativo, não apenas uma propaganda.

Utilize conteúdo multimídia: fotos, vídeos, infográficos, desenhos e animações. Invista no conteúdo visual para atrair os olhos do leitor.

Selecione o tipo de narrativa que você quer contar: herói (uma pessoa normal que se vê no meio de uma aventura e supera os desafios), semelhança (mostrar que a marca entende seus dramas diários), superação (com a marca, você conseguiu ultrapassar as barreiras que impediam seu progresso) etc.

Crie um personagem. Toda a história precisa ter um protagonista, alguém com quem o público se identifique. Um exemplo é o Justino, personagem criado para uma campanha da Loteria Nacional da Espanha. Ele ganhou muitos corações com a história de um senhor que na solidão do seu trabalho como vigia de uma fábrica de manequins descobre formas de ser feliz, interagindo com seus colegas de trabalho por meio dos bonecos. Confira o vídeo.

loteria_madrid_2

Seja sincero, honesto e verdadeiro na sua história. Você precisa incorporar uma ideia válida na narrativa e não apenas criar a campanha para se tornar um viral. No final da história, as pessoas irão associar sua marca ao personagem.

Confira alguns exemplos de storytelling e se inspire!

Dove: retratos da real beleza – algumas mulheres foram convidadas para entrar em uma sala onde havia um desenhista. Ele perguntava questões sobre a aparência delas e elas respondiam com o que achavam. Com base no relato, ele montava um retrato falado. Em seguida, outra pessoa entrava na sala e descrevia a mesma pessoa. Ao final, o resultado era surpreendente.

dove-retratos-da-real-beleza02

Harley Davidson – quem compra a marca não quer somente uma moto, mas todo o estilo de vida. A campanha mostra “a família” a qual o consumidor passaria a fazer parte ao adquirir o veículo. Diversos motoqueiros seguiram o rapaz pela estrada, como se ele fizesse parte de um grupo.

maxresdefault.jpg

Coca Cola: compartilhe uma Coca – ver os nossos nomes ou daqueles que gostamos escritos na lata do produto ativa rapidamente a memória. O consumidor passa a comprar apenas para guardar a lata com seu nome ou para presentear um amigo. A mensagem final é “sentimento de compartilhar”, que é mais importante do que o item em si.

pack_mainline_share_a_coke_01__1_-549612.png

Snapchat e Periscope são soluções para vídeos em smartphones

O mundo dos aplicativos para smartphones e tablets apresenta novidades em uma velocidade gigantesca. Os lançamentos e atualizações trazem soluções para velhos problemas ou despertam novas necessidades. Atualmente, dois apps estão em evidência: Snapchat e Periscope.

O Snapchat não é tão jovem, foi lançado em 2011 para ser um misto de rede social e chat com imagens e vídeos que desaparecem depois de visualizados. Usuários da plataforma Android e iOS podem fazer o download nas respectivas Google Play e App Store de forma gratuita. Para participar, basta fazer o cadastro. Logo no primeiro login os contatos da agenda que possuem o Snapchat já ficam disponíveis.

Os vídeos do Snapchat podem ter no máximo 10 segundos de duração, e as fotos devem ser tiradas na hora, sem possibilidade de usar arquivos já salvos no aparelho. Se fizer print screen na tela, o amigo que enviou a imagem vai receber um aviso. Nem mesmo as conversas do chat ficam salvas. Durante a cerimônia do Oscars 2016, o Snapchat lançou uma novidade: os snaps das Live Stories podem ser vistos pela web. O player tem duas funcionalidades bacanas – se deixar a aba aberta, ele pausa e mostra a mensagem “Still Watching?” e borra a imagem ao pausar, evitando screenshots.

No Periscope, a proposta é diferente. O aplicativo lançado em março de 2015 pelo Twitter tem o objetivo de transmitir e ver vídeos ao vivo. Contudo, as gravações ficam disponíveis somente por 24 horas no servidor do aplicativo. Durante o live streaming, quem está assistindo consegue interagir no chat. A ferramenta também pode ser baixada nas lojas Google Play e App Store. Para acessar o Periscope, é necessário ter uma conta no Twitter.